Marinha russa libera arquivos de encontros com OSNIs

Um grupo especial da Marinha recolheu relatos de incidentes inexplicáveis, entregues por submarinos e navios de guerra.

Os registros liberados pelos militares russos remontam ao período em que um grupo especial da Marinha recolheu relatos de incidentes inexplicáveis, entregues por submarinos e navios de guerra. O grupo foi liderado pelo capitão-tenente da Marinha, almirante Nikolay Smirnov, e muitos documentos revelam casos de possíveis encontros com OSNIS (Objeto Submarino Não identificado).

Objeto-Submarino-Não-identificado
Vladimir Azhazha, um ex-oficial da Marinha e famoso ufólogo afirma que o material divulgado é de grande valor. “Cerca de 50% dos encontros com OVNIS estão relacionados com os oceanos.Quinze por cento com os lagos. Então, os OVNIS preferem a água. “Ele relatou.

Em uma ocasião um submarino nuclear, que estava em missão de combate no Pacífico, avistou mais de seis objetos desconhecidos submersos. Depois que a tripulação não pode se livrar de seus perseguidores com manobras, o comandante ordenou que emergissem. Os objetos seguiram o exemplo, elevaram-se no ar, e voaram longe.

Muitos eventos misteriosos ocorreram no Triângulo das Bermudas, recorda o comandante de submarinos reformado, Almirante Yury Beketov. Avaria de instrumentos, sem qualquer razão aparente, ou detecção de forte interferência.

Objeto-Submarino-Não-identificado-2
O oficial da Marinha russa alega que poderia ter sido uma interrupção deliberada causada por OSNIs. “Em diversas ocasiões, os instrumentos revelaram objetos se movendo a incrível velocidade. Eu calculo uma velocidade de cerca de 230 nós, 400 km / h.

Publicidade

Publicidade

Ruídos oriundos das profundezas de nossos mares causam especulação e permanecem sem explicação

Em agosto de 1977, um estranho sinal vindo da constelação de Sagitário chegou às antenas do radiotelescópio Big Ear, da Universidade de Ohio. Batizado de Wow!, permanece sem explicação até os dias de hoje. Vinte anos depois, outro sinal, dessa vez vindo das profundezas do oceano, também chamou a atenção dos pesquisadores. O evento nunca mais se repetiu e também permanece um mistério sem solução. Ao contrário do sinal Wow, captado no comprimento de onda de 21 cm (1420.4556 MHz), o sinal de 1997, batizado de Bloop, tinha origem mecânica e foi registrado por microfones de alta profundidade ao largo da costa sul da América do Sul, abaixo das coordenadas 50S e 100W.

cnot_4547
Nesse espectrograma, o eixo horizontal representa o tempo, enquanto o eixo vertical a frequência. A intensidade do sinal é mostrada de acordo com a variação do brilho e cor e cor. Quanto mais claro, mais intenso é o sinal registrado.

Vídeo

No vídeo a seguir você poderá ouvir o sinal Bloop. Esse som foi gravado repetitivamente durante o verão de 1997 no Oceano Pacífico Equatorial com hidrofones autônomos. O som aumenta rapidamente em frequência durante cerca de um minuto e foi de aplitude suficiente para ser ouvido em vários sensores, a uma distância de mais de 5.000 km.

Publicidade

Mega Interessante
Curiosidades, fatos interessantes, mistérios e muito mais!

Leia também: